quarta-feira, 11 de março de 2020

TRILOGIA "PRENÚNCIO DO MEDO - MORTE" | LIVRO III - EDITORA ILLUMINARE

E mais uma participação.

O conto "A Viagem" fora selecionado para a Trilogia "Prenúncio do Medo - Morte" | Livro III - Editora Illuminare - Brasil/Argentina.
Organizadores: Ceiça Carvalho e Diany Cardoso.
Participação Especial: Letícia P.S

Fragmento:


[...]
Na noite da celebração, eles deixam as crianças sob os cuidados de um casal amigo e seguem para o local. Na chegada, são recepcionados por uma das atendentes, que os acompanha até a mesa reservada. A seguir, tomam seus assentos.
— Eu não queria estar aqui - Christine comenta em tom baixo com o marido.
— Ora, por que aceitou?
— Sair da rotina - ela retruca.


O mutismo abarca a ambos. Apenas os olhos castanhos do casal lampejam diante da ornamentação ali existente. Eles apreciam as pessoas transitando em suas vestimentas, observam silhuetas que por si só já transmitem sonhos, desejos ou sentimentos ocultos; percebem a decoração em tom escarlate que comunga alternadamente com o branco, com a prata e o jogo de espelhos emoldurados harmonicamente; a mesa farta do buffet, enfim, admiram-se do ambiente acolhedor e dos detalhes esculpidos sob o manto da total perfeição. O silêncio entre eles se rompe diante da presença de Anne.
— Olá, sejam muito bem-vindos!
— Agradecemos o convite, Anne — Jefferson fala.
— Tudo está sublime — com um sorriso embuçado, Christine comenta.
— Obrigada pela ilustre presença do casal. Fiquem à vontade.
Conversam mais uns cinco minutos e Anne recomeça a jornada pelas mesas cumprindo protocolo social. Tão logo a anfitriã se afasta dali, Christine, em tom baixo, concede:
— Bem, como viúva e sem filhos tem que agradar a todos. Confesso que ela tem bom gosto.
— Ela é social e comunicativa — ele ponderou.
— Complementando esse elogio tão amorável... A mulher social, a mulher comunicativa, a mulher tão simpática, continua a prestar serviços na área jurídica da empresa?
— Sim e é ótima profissional.
— Quantas vezes na semana?
— Depende da necessidade e do caso.
Após a resposta, ela, sutilmente, com a mão direita, ajeita o cabelo preto e longo para trás, enquanto os dedos da mão esquerda deslizam acompanhando os detalhes dourados que se sobrepõem ao preto de sua bolsa clutch, a qual repousa sobre a mesa. A seguir, ela arremessa um olhar tão matreiro em direção ao esposo, que transmite a possibilidade em minudenciar aquele comentário. Alguns segundos depois, em tom irônico, Christine questiona:
— Depende da necessidade de quem? Sua, dela ou da empresa?
— Vai começar?
Na sequência, ele se levanta, ajeita o blazer cinza e, por uma fração de minutos, fita o salão espelhado e reluzente pelos reflexos multicores das lâmpadas.
 — Vai passear? Está se sentindo incomodado com algo ou por alguém? — a companheira o interroga.
— Bem, ainda controlo minhas necessidades fisiológicas.
— Você está tentando localizar apenas o lavabo?
Ele a encara com o olhar tétrico. A seguir, esfrega ambas as mãos e decide se ausentar.
Ela o acompanha com os olhos até a porta do toalete. 
[...]

Trilogia "Prenúncio do Medo - Morte" - Ed. Illuminare








segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

MICROCONTOS - PEQUENAS HISTÓRIAS

O Cárcere

Ela morava com seus pais. As cobranças de conduta cresciam de forma exponencial. Não resistiu. Sucumbiu ao desejo de liberdade daquela escravidão familiar por meio de enlace matrimonial.
Hoje, o próprio lar, é o reduto de torturas psicológicas e corporais provocadas pelo carcereiro que ela escolheu.

Roberto Mello


Um dos microcontos que integra a coletânea 

"Pequenas Histórias - Microcontos - Grandes Talentos"

Organização Rô Mierling
Editora Illuminare

Imagem Editora Illuminare